Estação Parada do Cardoso

NOTA GERAL: 3.0/5

www.paradadocardoso.com.br
Rua Dores do Indaiá, 409 – Santa Tereza – Belo Horizonte – MG | Tel: (31) 3461-4798

Localização e Ambiente: 4/5

Numa região agradável e bem arejada do Santa Tereza, a pizzaria fica bem em destaque. Primeiramente pelo tamanho do imóvel, que aparenta ter crescido na medida que a demanda também crescia, agregando parcelas cada vez maiores das calçadas e ganhando anexos das estruturas próximas à casa principal, resultando num estabelecimento consideravelmente grande e bastante dividido. Depois pela logística privilegiada dentro do bairro, um pouco mais afastada do caos dos bares da região, porém ainda próxima de um dos principais acessos deste, além de se encontrar em frente a uma simpática, e pequena, pracinha que decora alegremente a vista.

Seu ambiente é bem rústico e muito espaçoso, composto de dois andares e diversos ambientes. A decoração, de fato, é bem básica, sendo tudo funcional e regular, sem nenhum destaque nem preocupação de encantar os clientes pela sua área interna. A parte realmente boa fica mesmo pelo tradicionalismo e ambientação extremamente boêmia, oriundas de uma estrutura mais antiga e uma boa distribuição de janelas, mantendo o clima sempre agradável e tornando quase impossível que uma pessoa lá presente não consiga se desprender de seus problemas e curtir uma boa noite.

Atendimento: 5/5

Diferente do esperado de um ambiente extremamente segmentado e uma casa sempre borbulhando de clientes, o atendimento funciona como um relógio. A constante peregrinação dos garçons aumenta bastante a percepção dos olhares dos clientes, a designação do número correto de funcionários por ambiente, sem uma economia porca, ajuda no constante fluxo de pedidos e, para completar uma possível falha, a possibilidade de se pedir qualquer coisa para qualquer garçom sem receber um nariz torcido em troca, formam os preceitos básicos para um atendimento exemplar numa casa sempre lotada. Ainda que a simpatia, tão prezada no atendimento, não estivesse muito presente, houve sempre muita educação e presteza por parte de todos que nos atenderam. As vezes de forma até assustadora, bastavam segundos para que as bebidas já estivessem nas mesas e poucos minutos para entradas e pizzas, uma indicação clara da ótima qualidade de comunicação entre salão e cozinha. Para finalizar com um sorriso no rosto, a hostess, muitas vezes negligenciada pelas casas, foi especialmente ágil e absurdamente simpática, nos direcionando sem demora para as mesas desejadas e nos fazendo sentir em casa.

Gastronomia: 2.0/5

Obviamente, a especialidade são as pizzas e seus derivados (calzones e paninos). Os sabores são inúmeros, confundindo até mesmo os mais decididos que por ventura visitem a casa. Existem os sabores mais tradicionais e os especiais, com ingredientes um pouco mais elaborados e combinações quase ousadas.

Panino (alecrim): 2/5

A fina fatia de massa pizza, cortada em triângulos, pecava em seu tempero. A começar pela sua extremamente exacerbada quantidade de alecrim que, graças a esse exagero, atravessava a linha entre o que é tempero e o que é ingrediente, contaminando seriamente o sabor da massa e tornando as mordidas enjoativas e intermináveis. Massa que também não carregava sal suficiente em sua receita para ser servida sem qualquer adicional deste, perdendo a oportunidade de se sobressair no sabor quando acompanhada de uma pitada de flor de sal, ou até mesmo um sal grosso moído na hora. E, finalmente, para finalizar o desgosto, a entrada foi servida fria, nos fazendo questionar até se esta era realmente fresca ou se ela já estava pronta e apenas esperando a requisição errônea de um cliente menos informado.

Portuperoni (mussarela, presunto, pepperoni, cebola, ovo, azeitona preta, tomate, abacaxi, alho e orégano): 3/5

Uma pizza definitivamente confusa, de sabor desfocado e resultado final semelhante a um turbilhão pouco ordenado. A luz se encontrava apenas nos pedaços onde a presença do pepperoni era palpável, fornecendo um foco para o emaranhado de gostos e a oportunidade desta brilhar como conjunto. A mistura dele com o sabor padrão da pizza dava a abertura correta para os demais ingredientes, temperando as mordidas com um gosto mais forte que se destacava e um toque picante ideal que não subjugava o restante. No geral, uma pizza apenas ok, que por pedido nosso, foi servida com seus cubinhos de abacaxi separados, oferecendo então uma opção individual de seus clientes de dosá-los de acordo com seu próprio paladar.

Parada do Cardoso (mussarela de búfala, tomate seco, pesto verde, presunto parma, azeitona azapa, manjericão e orégano): 1/5

Confesso que esperávamos muito da pizza que levava o nome da casa e que, talvez por isso, nossa dose de decepção tenha sido um pouco catalizada. Com praticamente todos os ingredientes muito bem escolhidos a pizza pecava nos quantidades individuais destes. Em especial do pesto que, de sabor extremamente forte, era servido numa quantidade superior até a do molho de tomate, dominando completamente o sabor de todas as mordidas, sem deixar a mínima abertura para qualquer outro ingrediente. Eclipsados então pelo pesto, o presunto parma, que quando cru tem seu sabor bem suave, a muçarela de búfala, igualmente sutil, os tomates secos, em pequena quantidade, e até mesmo as azeitonas, que geralmente são consideravelmente fortes, não tinham oportunidade alguma de completarem e agregarem nada aos sabores.

Custo Beneficio: 2/5

A Estação do Cardoso oferece pizzas em 3 tamanhos: brotinho, média e grande. O maior dos tamanhos tem seu valor frequentemente ultrapassando a metade da centena sendo capaz apenas de servir um mínimo desejado para duas pessoas. A conclusão então é simples, o estabelecimento é caro demais para uma qualidade boa – porém não espetacular – e um ambiente pouco elaborado. Todo o bafafá com relação à pizzaria pode ser das duas uma: ou um marketing muito bem feito e bem pago, para jornais e revistas que elogiam o estabelecimento cegamente após terem seus bolsos devidamente preenchidos de dinheiro e favores, ou um vínculo de tradição com a cidade que transforma todos em verdadeiros zumbis, incapazes de julgar o gosto daquilo que estão comendo.

Dicas:

Talvez a parte realmente de destaque da pizzaria fique por conta das pizzas mais tradicionais que, infelizmente, não experimentamos. É realmente um bom lugar para confraternizar, ideal para um grande grupo de amigos que buscam petiscar, falar de tudo e de nada, beber uma cerveja bem gelada e curtir uma verdadeira noite belo horizontina.

post and review by Eduardo Boaventura & Path Tôrres

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s