Maria de Lourdes

NOTA GERAL: 3.4/5

Rua Bárbara Heliodora, 141 – Lourdes – Belo Horizonte – MG |  Tel: (31) 3292-6905

Localização e Ambiente: 4/5

O Maria de Lourdes é um buteco requintado, no meio da muvuca de Lourdes. Aos finais de semana, sua esquina é tão movimentada que é impossível saber quem está em qual bar, já que os 4 estabelecimentos adjacentes tentam a todo custo acomodar todo o publico boêmio do bairro. Seu ambiente é básico, foge do buteco copo sujo graças ao potencial financeiro de Lourdes, mas também não impressiona. O principal objetivo ali não é ser bem decorado, é abrigar o maior número de mesas possíveis num espaço relativamente limitado, uma vez que a noite é longa, e a rotatividade desse estilo de bar fica aquém do desejo dos donos. Internamente, alguns quadros e televisores colorem o local, enquanto externamente a casa é completamente descaracterizada meio à camuflagem das dezenas de mesas. Estacionar próximo à casa é praticamente impossível e até estressante, para curtir muitíssimo bem um excelente noite bebendo com os amigos nossa dica é simples: prefira um táxi.

Atendimento: 2/5

Enquanto em seu interior as mesas são bem organizadas e há certa simetria na distribuição de pessoas para um número ótimo de garçons, em sua parcela externa a casa se mostra extremamente displicente. Se em seu primeiro momento existiu alguma lógica, basta uma pequena porção de minutos para as movimentações constantes de cadeiras e mesas estabelecerem um desordenado caos no restaurante. As mesas constantemente se encontravam e as pessoas frequentemente se esbarravam em meio àquele mar de cabeças, e, se para os clientes esse resultado já era ruim, imagine para os garçons que tentavam costurar um caminho por entre a tormenta! O resultado, como esperávamos, era um cenário em que os poucos garçons ficavam completamente incapazes de atender a ávida demanda.

Gastronomia: 4.0/5

Como qualquer bar da cidade, o Maria de Lourdes serve porções de petiscos, ideais para fazer a noite durar entre várias bicadas de cerveja. Existem também alguns pratos, muito mais focados numa demanda extremamente pontual e provavelmente referente ao almoço mas que, certamente, não são o foco da casa. Suas porções combinam carnes, queijos e outras guarnições em conjuntos clássicos e bem apetitosos.

Iscas de frango crocantes com fritas e molho de queijo cheddar: 4/5

A pequena porção era uma formidável surpresa. Oferecendo enormes nacos de frango, num tamanho certamente inadequado para se degustar com os propostos palitinhos de dente, o conjunto começava desajeitado em sua performance. Completamente lambuzado de um muito bom (e extremamente melhor que a opção de seu irmão/vizinho Tizé) molho de cheddar, o frango ganhava destaque pela sua proporção de carne, empanado e molho. Sem muitas delongas, seus sabores se completavam de forma elegante, tendo um belo molho, um pouco retocado demais pelo creme de leite, acompanhando perfeitamente a textura crocante do frango em um agradável aveludado. O prato tropeçava mesmo em seu acompanhamento, a batata, que servida numa quantidade digna de piada, estava murcha e com alguns exemplares de tonalidade amarronzada. Um excelente pedido, que devido ao seu sabor suave mas ainda assim presente pode ser recomendado a qualquer pessoa! Uma pena realmente ter um volume tão reduzido, sendo por demais inferior às porções geralmente servidas nos bares da cidade.

Filet à parmegiana à palito: 4/5

O simples e quase sempre de sucesso, filé a parmegiana. O prato chegava à mesa coberto por uma perfeitamente gratinada camada de queijo que, como de costume, cobria uma única camada de presunto e sua formidável carne empanada. Então comecemos pela base, a carne. De textura macia e ponto excelente para o prato, o filé muito bem empanado tinha altura exagerada, influenciando de forma negativa a combinação dos paladares que não conseguiam muito destaque. Devidamente besuntada de um elegante porém por demais espesso molho de tomate, o filé conseguia ofertar abertura apenas para a igualmente enorme porção de queijo, que por sua vez atribuía ao conjunto uma ótima textura, clássica de uma mussarela de qualidade. Seu porém fica por conta do apagado presunto, que disposto numa finíssima camada, conseguia apenas se tornar relevante naqueles poucos – e quase inexistentes – pedaços onde a proporção de carne facilitava o conjunto. Novamente um ótimo prato, que conseguia cumprir muitíssimo bem com o objetivo, e que, diferente de seu sucessor, era extremamente bem servido.

Custo Benefício: 3/5

É um bar de alto padrão, portanto seu preço vem agregado da localização e do primor da cozinha. As porções variam de R$20 a R$50, chegando até a valores mais altos quando compostas de ingredientes oriundos do litoral. No final, o ticket médio apenas das comidas se mantém num padrão aceitável de R$35.

Dicas:

Vá cedo e dê preferencia para mesas dentro ou imediatamente adjacentes ao estabelecimento, sabendo que, quanto mais distante deste, pior ficará seu atendimento. Ah, e não se esqueçam de aproveitar a noite, seja apreciando um belo chopp ou uma formidável carne, preferencialmente na presença de amigos íntimos ou colegas de trabalho.

post and review by Eduardo Boaventura & Path Tôrres

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s