Na Mata Café

NOTA GERAL: 3.3/5

www.namatabh.com.br
Rua Marília de Dirceu, 56 – Lourdes – Belo Horizonte – MG | Tel: (31) 3654-1733

Localização e Ambiente: 5/5

Assim como o Café de la Musique, esse é mais um “café” sem cara de café. Deixando de lado aquela típica decoração num estilo bistrô que se costuma ver nos estabelecimentos verdadeiramente focados no grão, a casa ostenta um ambiente muito mais noturno do que vespertino. Sua amplitude é dividida entre interno e externo, com elementos decorativos muito bem pontuados e escuros, deixando o lugar com um toque lounge bem divertido. No primeiro nível, o sutilmente elevado pé direito é composto por um longo balcão que reúne um par de bar tenders e coloridas garrafas de alcoólicos, pontuado um pouco mais acima por um quadro negro onde seu cardápio é disposto em letras amarelas – um estilo retrô muito semelhante aos menus de padarias ou armazéns. Em frente ao bar se encontram variadas mesas contornadas por um sofá carnavalesco, mantendo uma linha high-low idêntica à composição de todo o mezanino. Suas paredes são recheadas de espelhos, ampliando os espaços e deixando o ambiente ainda mais notívago do que sua coloração negra já havia feito. Para finalizar, sua super privilegiada localização em uma das mais caras ruas da cidade mantém a ideia de uma casa com um alto padrão e um preço igualmente elevado.

Atendimento: 3/5

Com a casa consideravelmente vazia seus garçons não perambulavam tanto entre os diferentes níveis desta, muitas vezes se alocando em algum ponto de espera (aonde os atendentes normalmente se reúnem enquanto não há nenhuma demanda) onde a visibilidade da casa não é plena. Se de um lado o sentimento de abandono poderia ferir o bom humor de sua refeição, doutro a excelência de nosso atendente em explicar os pratos como se ele próprio os tivesse inventados era digna de aplausos. O grande desando da casa no entanto não fica por conta de seus atendentes de campo, e sim por sua demora no preparo dos pratos, dando até a impressão de certo esquecimento da casa a respeito de seus clientes, uma vez que intervalos superiores aos 80 minutos entre o primeiro e o segundo passo de uma refeição jamais deveriam ser motivo de orgulho para alguém.

Gastronomia: 2.8/5

A casa tem diversas entradas muito distintas umas das outras, entre brusquetas, carpaccio, meat balls, filés e peixes. Seus pratos principais também são diversos e elaborados, contendo todos os tipos de carne, algumas massas e risotos. Para finalizar sua refeição opções de sobremesas que se mantém relativamente dentro do entediante padrão contemporâneo de sempre.

Bruschetta de Queijo Brie (6 unidades) com presunto Parma, geléia de cebola e rúcula: 2/5

Com uma ótima combinação e proporções ideais (ainda que, particularmente, meu lado mineiro gostaria de um toque a mais do brie) a sobremesa agrada em sua lista de ingredientes da mesma maneira que desagradava em sua execução. Iniciamos então por sua torradinha, que para total infelicidade da nação, estava rígida como uma pedra de mármore, dando à base do prato uma infeliz textura e tornando-a até uma complicada iguaria de se degustar. A entrada portanto partia de um brie não completamente derretido e sua porção que poderia ser incrementada para os padrões mineiros de como se dosar um queijo, passava então para seu parma que acabava por desperdiçar um ótima oportunidade de se brincar com uma textura crocante e uma explosão de sabor mais elevada e, finalmente, terminava em suas cebolas caramelizadas e sua rúcula fatiada que, de maneira quase milagrosa, conseguiam amenizar todos os erros previamente descritos, completando o prato de maneira muito bem pontuada.

Peito de pato ao molho de vinho tinto com risoto de açafrão e chips de presunto parma: 3/5

Definitivamente uma muito agradável carne de pato, extremamente saborosa e de molho muito bem pontuado. Infelizmente sua tenra peça da ave não mantinha um padrão entre os cortes, apresentando algumas fatias consideravelmente mais espessas que outras além de certas nervuras não muito agradáveis. No entanto, seu sabor era elegante e presente, além de cair maravilhosamente bem com o toque adocicado e igualmente forte de seu molho de vinho. Seu arroz se mantinha num ponto aceitável, um pouco mais macio que o ideal, mas muito bem pontuado para as pessoas que preferem a tendência brasileira de se fugir do al dente correto, ofertando à combinação picos de açafrão maravilhosos que compunham elegantemente o prato. Uma pena sua crocante de parma, mais um artefato decorativo que um membro principal da peça, se encontrar por demais emborrachada, num ponto tal que aparentava na verdade ter sido preparada muito antes de sequer realizarmos nossos pedidos.

Bife Ancho com batatas rústicas e molho de Chimichurri: 4/5

Um prato de se encher os olhos. Muito bem servido e com bastante carne, era uma pedida perfeita para aqueles mais esfomeados e adoradores de um excelente bife. Com uma carne muito bem selecionada, o lindo prato ganhava destaque por sua suculência, maciez e sua formidável combinação com as batatas rústicas. Batatas, inclusive, que estavam formidavelmente bem feitas mas infelizmente nada temperadas, incumbindo o cliente de salgar o acompanhamento a seu gosto. O prato era ainda acompanhado de um ignorável molho chimichurri e perfeitos alhos assados, que se soltavam de suas cascas com toda a facilidade para completar as garfadas. Definitivamente um prato justo, belo e maravilhosamente bem composto, que apesar de sua extrema falta de criatividade, certamente ganhava pontos por sua bela execução e seleção de ingredientes.

Medalhão de mignon ao molho de mostarda Ancienne com nhoque de espinafre: 1/5

Com uma carne um pouco dura e muito forçada na brasa, o prato era o ponto baixo de nossos pedidos. Seu paladar era praticamente intragável e nem mesmo o presente tempero de seu forte molho de mostarda era páreo para disfarçar o gosto forte de queimado e cinzas. Seu acompanhamento era composto de simpáticos nhoques de espinafre, muito bem aerados e fritos, que, na verdade, apesar do nome, assemelhavam-se mais a uma simpática finger food do que a propriamente descrita massa. Infelizmente, sua quantidade e paladar não eram o bastante para se salvar o gosto imponente de uma carne extremamente mal executada, que massacrava qualquer combinação e transformava este que tanto prometia num terrivelmente executado prato.

Torta Crocante de Maçã Verde com sorvete de creme e calda quente de caramelo: 4/5

Enorme!!! A simpática torta era composta por uma excelente massa amanteigada de bordas grossas e textura esfarelada. Suas sutis lâminas de maçã compunham seu interior de maneira elegante, atribuindo ao conjunto um paladar presente, temperado com canela, que pontuavam elegantemente sua combinação. Havia também uma camada inteira de passas, um ingrediente fascinante para se completar a sobremesa em questão que, servido numa proporção digna de questionamentos, deixava de atribuir agradáveis diferenciações entre suas garfadas para se criar uma entediante homogeneidade de sabores. Para completar, sua calda – fria – de caramelo era apenas um toque psicológico infimamente borrifado sobre o sorvete, gerando uma leve decepção naqueles que acreditaram em seus descritivos e na intenção da casa de atribuir ao seu último passo um formidável toque artesanal bem elaborado, e não uma versão ignorável de supermercado. Por cima de tudo tínhamos também um mix de sementes e uma imensa bola de sorvete que, novamente, perdia a oportunidade de se jogar com diferentes temperaturas. Ah! Vale dizer que, sem exageros, a torta jamais deveria ser considerada individual, sendo capaz de servir bem uma mesa de até 4 pessoas, encerrando para todas sua refeição de maneira justa!

Custo Benefício: 3/5

As entradas custavam entre R$20 e R$30, enquanto os pratos chegavam a R$60. As sobremesas ficavam na casa dos R$20, e o ticket médio saía por volta dos R$60 por cabeça, com entradas e sobremesas divididas entre as mesas. Um valor isolado caro, que quando pensado dentro do posicionamento da casa, pode até ser considerado justo.

Dicas:

Vá com amigos, preferencialmente à noite e divirtam-se numa animada e geralmente dançante noite. Uma boa opção aqui – e provavelmente mais econômica – seja ficar focar naquilo que pode ser dividido, partilhando entradas e regando sua diversão com formidáveis drinks.

post and review by Eduardo Boaventura & Path Tôrres
Anúncios

2 Respostas para “Na Mata Café

    • Olá Flaviane, tudo bem?

      Não, não utilizamos o foodspoting, os objetivos do aplicativo e sua funcionalidade muito voltada para fotos ficam um pouco distantes de nossas intenções mais técnicas de reviews. No entanto pretendemos sim oferecer no site um mapeamento das casas visitadas, estamos trabalhando num mapa muitíssimo bem feito e de simples execução, onde se possamos vincular todas as casas visitadas de maneira ágil e visualmente agradável, facilitando assim para todos no momento de decidir afinal aonde comer nessa capital mineira.

      Atenciosamente,
      Equipe ONDEcomo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s