Caparica Café Gourmet

NOTA GERAL: 2.9/5

Rua Alagoas, 601/Lj. 19 – Funcionários – Belo Horizonte – MG | Tel: (31) 3261-3313

Localização e Ambiente: 2/5

Na fronteira do Funcionários e do Lourdes, há uma galeria aberta (ou um pequeno shopping) com vários estabelecimentos comerciais, entre bares, restaurantes, lojas e agências de turismo. Foi nesse meio que encontramos o Caparica Café Gourmet, um simpático e pequeno local com defesa lusitana. O ambiente, apesar de reduzido, conta com uma área interna (composta por um balcão e 3 pequenas mesas) e uma singela varanda, ideal para os fumantes ou para aqueles que preferem um lugar mais fresco. A decoração é simples e discreta, mantendo-se no limite do funcional. Vale dizer que não há grande dificuldade de se encontrar vagas em seu entorno, uma vez que o estabelecimento se encontra numa área estratégica porém de pouco fluxo, tornando possível estacionar em qualquer uma das ruas adjacentes.

Atendimento: 2/5

Existe apenas uma funcionária pivô, que funciona como caixa e como garçonete. Seu atendimento foi vago e bastante tímido, deixando a desejar no quesito interação. Apesar da simpatia da atendente, admito que ficamos levemente incomodados com o número de recusas que recebemos, desde um padrão “só um minutinho” até um constante “aham”. O que parecia é que estávamos sendo atendidos pela operadora do caixa, que preferia gastar seu tempo sentada no balcão fazendo cruzadinhas e que, exclusivamente por cortesia, de tempos em tempos passava pelas mesas do estabelecimento. De qualquer forma, uma vez atendidos a comunicação com a cozinha foi certeira, os pedidos todos atendidos corretamente apenas com certa excessiva demora para os pratos, alguns até atingindo a marca próxima ao par de horas.

Gastronomia: 3.8/5

A casa tem em seu cardápio várias opções de culinária portuguesa, desde sua imensa lista de preparos de bacalhau até o uso dos mais diversos tipos de azeite. O rol de quitutes inclui também petiscos tradicionais e pratos mais abrasileirados. Do café que o estabelecimento leva em seu nome realmente não se encontra nada, podendo apenas, para aqueles que visitarem o estabelecimento antes das 20h, requisitar o quitute da cafeteria ao lado dentro do estabelecimento português.

Cubinhos de lombo com azeitonas, cebola e tomate cereja: 5/5

Cubinhos de lombo com azeitonas, cebola e tomate cereja

Servida num simpático potinho, acompanhada de uma cestinha de pães, o prato pode inicialmente passar a sensação de pequeno. Ainda assim, e sensações a parte, seu volume não é menos que satisfatório e sua combinação de ingredientes, simplesmente soberba. Os cubinhos eram muito bem feitos, seu tempero era bem dosado e seu preparo deixava as peças macias e bem douradinhas. Umedecendo o prato, vinha o próprio molho desprendido durante o preparo da carne, com toques formidáveis e variados de seus temperos. A harmonia dos ingredientes era simplesmente deliciosa, desde o toque forte das azeitonas, passando pela textura crocante da cebola e a cremosidade dos tomates, até os tenros nacos de carne de porco. Nosso único suspiro fica por conta da quantidade de pães para o volume da carne, que convenhamos, geralmente só indica que desejaríamos mais de algo por este ser muitíssimo agradável.

Filé ao molho de vinho com batatas fritas: 3/5

Apostando em uma pegada mais tradicional brasileira, pedimos o clássico filé com fritas, nessa versão muito bem embalsamado em um espesso molho de vinho. Os grandes pedaços de carne eram gostosos e estavam bem molhadinhos, porém eram grandes demais para serem comidos à palito, requerendo talheres mais firmes para fatiar as iscas. A carne, inclusive, era de qualidade questionável, relativamente fibrosa e de textura um pouco aquém da expectativa (e do preço). Diferente do exemplar supracitado, onde seu pão não conseguia ser páreo para todo o volume de lombo, aqui, sua porção de batatas era ínfima e decepcionante, sendo servidas longe da textura e temperatura desejadas. Para completar o conjunto, e salvar um pouco seu paladar, um molho levemente adocicado e com textura gelatinosa acompanhava o filé, dando sabor do vinho à carne e é claro, às suas questionáveis batatinhas.

Polvo a Lagareiro (polvo grelhado, acompanhado de batatas à murro, brócolis e azeite quente com alho): 4/5

Polvo a Lagareiro (polvo grelhado, acompanhado de batatas à murro, brócolis e azeite quente com alho)

Um belo polvo, em uma porção para dois. A criatura marinha estava bela, muito rosada e com as ventosas à mostra, contornando o prato como um belo adorno. Seu paladar era ótimo, seu ponto correto e seu tempero, muito sutil, se baseava primordialmente no azeite e na panela. Para acompanhar tal formidável carne, uma trinca que simplesmente não fazia jus ao padrão do polvo, se assemelhando muito às guarnições de uma montagem de pratos do Girafas. Iniciamos então pela meia cebola, que, praticamente sem preparo, era apenas disposta sobre a louça. Passando para a batata, que pouco assada e consequentemente rígida, não conseguia aquela textura agradável para o “murro” e finalmente, terminamos com o brócolis, que na verdade era um engordurado arroz cm pedaços do vegetal. Um prato simples, de carne soberba e acompanhamentos catastróficos.

Pastel de Belém: 3/5

Pastel de Belém

A tradicionalíssima sobremesa lusitana simplesmente não chegava lá. Se de um lado seu creme de nata era simples e formidável, dando sabor simples e tradicional ao prato se se tornar jamais ignorável, doutro, sua massa folhada simplesmente não conseguia atingir o ponto. O resultado então era um recheio ótimo, levemente aerado e de tom adocicado que combinava excelentemente com o tom amanteigado da casca, e uma casca que não conseguia uma textura dignamente folhada, se portando por demais dura e pesada para a suavidade do todo.

Custo Benefício: 3/5

Justo. Os petiscos custam de R$20 a R$40, um preço normal e ideal para ser rateado. Os pratos para duas pessoas variavam de R$50 a R$100, dependendo da nobreza dos ingredientes. O ticket médio fica em torno dos R$50 para um menu completo, algo muito válido graças aos seus diferenciados ingredientes e, é claro, ao cuidado no preparo de cada um dos pratos.

Dicas:

A casa funciona em pares, servindo pratos exclusivamente elaborados para duas pessoas. Nossa dica então é simples, visitem o Caparica em números pares, escolham algumas entradas e pratos principais e se desliguem do relógio. Ah, e se dentro do horário de funcionamento do café vizinho (dos mesmos donos), não se esqueçam de finalizar sua refeição lá!

post and review by Eduardo Boaventura & Path Tôrres
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s