Hermengarda – RW 2013, 1ª edição

Volta a cidade o festival democrático da gastronomia, o Restaurant Week! Entre os dias 25 de fevereiro e 10 de março, você poderá provar um menu degustação nos melhores restaurantes de BH por R$34,90 no almoço e R$47,90 no jantar! Para clientes Mastercard Black e Platinum, haverá uma pré-week, do dia 18 ao dia 24 de fevereiro. Faremos um estilo de postagem especial, como de costume durante festivais, e daremos as melhores dicas para que você saiba aonde ir durante essas semanas. Caso você deseje que visitemos algum restaurante específico do festival, deixe seu recado ou mande um e-mail para ondecomo@gmail.com, e não se esqueça de falar qual menu (noturno ou diurno) você gostaria que fosse avaliado. 

NOTA GERAL: 4.2/5

Menu JANTAR

Sobre o Hermengarda:

O Hermengarda é um restaurante de culinária contemporânea muito bem localizado próximo à Savassi. Alguns dos quitutes da elegante casa são relíquias do caderno de receitas da avó do proprietário, que cede o nome ao estabelecimento. O menu tem toques brasileiros que o diferenciam, e muito, dos outros restaurantes da cidade nessa categoria. Já visitamos o Hermengarda antes, então, para conferir nossas impressões a respeito do ambiente, localização e atendimento, clique aqui.

Gastronomia:

O cardápio normalmente é bem variado, com combinações clássicas transformadas em novidades deliciosas. Para o week, o Hermengarda serviu duas massas acompanhadas de carne, porém com ingredientes bem distintos.

Entradas:

Salada de folhas com lascas de parmesão, croutons e molho de iogurte: 3/5

Uma saladinha pequena e sem graça, com um molho de iogurte gostoso porém em reduzida quantidade. As duas míseras lasquinhas de queijo eram agradáveis, porém nada demais, sendo incapazes de trazer um sabor completo à salada que, no geral, não conseguia surpreender. Seu combinado de folhas também não era nada além do ordinário, sendo basicamente composto de alface e rúcula. Por outro lado, aquilo que a casa chamou de croutons eram formidáveis nozes que, certamente, traziam algo diferenciado ao conjunto, com uma textura mais amolecida e um paladar menos arenoso do padrão conhecido, além de sua tonalidade avermelhada extremamente bela. O resultado era então baseado em um único ingrediente diferenciado, compondo as pobres folhas de maneira orgânica, mas não conseguindo carregar a simplicidade exagerada do conjunto.

Cuscuz de canjiquinha com orelha de porco crocante: 4/5

Cuscuz de canjiquinha com orelha de porco crocante

Extremamente gostoso e aparentemente fresco, o cuscuz tinha pequenos cubos de abobrinha muito gostosos e bem ponderados, ofertando ao conjunto uma textura extra gelatinosa que mesclava muitíssimo bem ao grão. Para acompanhar o já bem temperado cuscuz, um agradável e certamente insuficiente par de micro filetes de porco crocante e uma arrebatadora pasta que, inesperada, simplesmente se tornava a agradável surpresa do prato. Ainda que este que vos escreve não faça ideia daquilo que repousava ao fundo da simpática cumbuquinha, o ingrediente secreto parecia muito uma pasta oriunda da mistura de raiz forte e aceto balsâmico, e sua combinação com o conjunto era estupenda, dando um toque exótico extra e criando um novo e inesperado sabor à entrada.

Pratos principais:

Salmão em crosta de castanha-do-brasil, linguine de palmito pupunha e creme de alho-poró: 5/5

Salmão em crosta de castanha-do-brasil, linguine de palmito pupunha e creme de alho-poró

Um peixe tão bem feito que elevou todo o prato à perfeição. O salmão era uma mistura de cozido com selado que chegava à semelhança de um saboroso Sous Vide, obtendo uma coloração lindamente rosada de exterior diferenciado que chegava à derreter na boca. Ainda que sua crosta de castanhas deslizasse novamente numa débil simplicidade, sendo apenas um mix de sementes depositadas em cima do peixe, ao invés de realmente uma camada crocante que envolvia a carne, o resultado era saboroso e as texturas complementares. Para completar o já perfeito filé de salmão um formidável linguine de palmito pupunha, que deixava a combinação com um toque mais duro e ainda mais próximo à perdição. Finalizando de forma não menos relevante, um excelente creme de alho-poró que, bastante suave, servia quase como um apontador para os demais paladares do conjunto.

Escalopes de filé com cabelinho de anjo ao molho de queijo da Serra da Canastra: 5/5

Novamente uma carne muito próxima da perfeição, num ponto maravilhosamente próximo ao do mal passado, porém de exterior perfeitamente grelhado e textura gelatinosa. Para completar estes formidáveis escalopes uma pasta simples que agregava o conjunto maneira estupenda, salgando levemente a carne e trazendo uma textura extra aveludada ao ator principal. Seu molho, basicamente composto de queijo Canastra e creme de leite fresco, vale dizer, era uma completa perdição, agregando muito bem ao macarrão mais enrolado e fechando com chave de ouro a experiência do filé. Ainda que o prato seja muitíssimo bem composto e bem executado, o resultado não surpreendia tanto como a outra opção supracitada, pecando consideravelmente em sua criatividade e em seu tom exótico que geralmente o Hermengarda ama e consegue tanto fazer com sucesso. De qualquer forma, um prato excelente, volumoso e muito vistoso, que poderia até se tornar uma elegante opção permanente do menu da casa para crianças e pessoas, digamos, mais complicadas para com a comida.

Sobremesa:

Maravilha de chocolate e amendoim: 4/5

Maravilha de chocolate e amendoim

Bem diferente do que imaginávamos, a sobremesa era um quadradinho que parecia uma mistura de mousse com torta. O gosto de amendoim não era tão presente e nem mesmo sua textura, parecendo que ele havia sido moído para compor a sobremesa apenas uma parte superior relativamente decorativa e sutilmente como ingrediente de uma calda extra ao prato principal. Ainda assim o resultado era acolhedor, e seu volume surpreendente, o gosto de chocolate era forte e amargo, e o bolinho era denso e umedecido. Uma sobremesa bem gostosa que acompanhava uma calda que acredito ser de doce de leite com amendoim, atribuindo um toque adocicado ao conjunto forte, além de um crosta da iguaria moída que, um pouco apagada dentro do conjunto, conseguia apenas criar um tom arenoso para o conjunto.

Dicas:

O Hermengarda é sempre uma agradável surpresa no week. Seus pratos, mesmo que com composições tradicionais, sempre utilizam ingredientes inusitados e regionais, com temperos surpreendentes e uma execução que, sinceramente, dispensa comentários. Sendo assim prove, e correndo, aproveitando o week para pagar valores um pouco mais baixos que os regularmente utilizados.

post and review by Eduardo Boaventura e Path Tôrres

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s