James Burger

NOTA GERAL: 3.2/5

Rua Sergipe, 1093 – Savassi  Belo Horizonte – MG | Tel: (31) 3227-7821

Localização e Ambiente: 3/5

O James é uma hamburgueria que fica na Savassi, perto do pólo gastronômico mais jovem da cidade. Montada num quarteirão onde se encontra um complexo de variadas lojinhas e bares, todas cobertas por um longo toldo que permite se posicionar várias mesas na calçada, a hamburgueria tem fachada camuflada em meio a tantos outros estabelecimentos, fazendo com que aqueles mais desavisados simplesmente assimilem que toda aquela amontoação de mesas é pertencente a mais um copo sujo da cidade. Para sua decoração interna, no estilo Coca-Cola anos 50 mais batido que tudo, temos fotos de celebridades e personagens caricatos que levam o nome da casa, dando sustentação à defesa do lugar em torno dos famosos que levam os nomes de seus sandubas.

Atendimento: 4/5

Com o estabelecimento nem cheio nem vazio, o único garçom da casa (também caixa e anfitrião) conseguia segurar as pontas demonstrando certa tranquilidade, atendendo a todos com agradável agilidade e simpatia, deixando claro que a casa, apesar de curta em equipe, se encontrava perfeitamente preparada para o movimento. Outro agradável destaque fica por conta da cozinha que muito – mais eficiente que o de costume -, fazia todos os pedidos voarem diretamente para as mesas dos famintos. Se de um lado o estabelecimento é eficiente, doutro ele peca um pouco naquele algo a mais que fideliza seus clientes, mantendo-se certeiro mas ainda assim distante. De qualquer forma, e regalias à parte, é sempre satisfatório vermos um garçom ótimo, ligeiro e educado que, sozinho, fazia muito mais que apenas servir.

Gastronomia: 3.0/5

Com ingredientes sutilmente diferentes e combinações apenas um pouco ousadas, o lugar fica estigmatizado pelos estabelecimentos que o rodeiam, sempre parecendo um butecão ou um trailer de endereço fixo. Não que isso seja uma característica negativa, até porque muitos dos lugares mais informais que fomos oferecem uma comida de fato diferenciada, mas a casa redentora de um estilo clichê americanizado dos anos 50 se perde meio a pouca criatividade, chegando perigosamente a poder ser comparada apenas a mais uma hamburgueria.

James Bond (especial burger gourmet em pão com gergelim, deliciosa carne bovina de 200g, molho James, alface, cheddar fatiado e creme exclusivo a base de cheddar cremoso, bacon e cebola): 2/5

James Bond

O tamanho do hambúrguer impressionava, porém era também um grande desafio na hora de se comer. A dica da casa para esse dificultador era levar talheres à mesa, porém convenhamos que sem aquele contato da mão com o pão, a experiência de um verdadeiro hambúrguer se torna, no mínimo, falha. Feito a partir de uma carne alta e aceitavelmente suculenta que aparecia de forma deveras significativa em cada uma das mordidas, o sanduíche tinha base agradável e abertura ideal para os demais ingredientes. Completado pelo molho que leva o nome da casa, feito à base de mostarda e picles, o conjunto tinha certa sensação de azedo muito bem vinda, sendo ainda pareado por uma fatia de queijo fundido sabor cheddar (que no brasil as pessoas teimam em nomear apenas cheddar) e uma porção avantajada do tão falado creme exclusivo do queijo. Se de um lado todos os ingredientes caminhavam de maneira harmônica e satisfatória para um desfecho feliz,  doutro o famoso creme era, da forma mais eufemista possível, detestável. O caldo feito a partir do mais radioativo queijo cremoso sabor cheddar era uma afronta até para os exemplares de cachorro quente de posto, com sabor forte que apenas poderia ser descrito como guardado, deixando aquele toque de amargor desagradável que faria qualquer um pensar duas vezes na prudência de se engolir aquilo.

007 (pão de hamburger gratinado com muçarela, delicioso filé mignon em tiras, acompanhado de maionese de alho com cebola e champignon envoltos em queijo derretido): 4/5

007

A outra versão do mesmo personagem tinha ingredientes mais finos, optando pelo filé mignon fatiado e pelos cogumelos como realçador de sabor. O grande sanduíche, que já era desajeitado pela ausência de uma carne que se mantivesse dentro do seu pão, se tornava ainda mais complicado de ser degustado sem uma verdadeira lambança, uma vez que a casa adicionava uma folha de mussarela sobre seu pão, justificando ainda mais a existência daquele par de talheres ao lado do prato. Dificuldades para se comer este sanduíche (que sabe-se Deus porquê era descrito como hambúrguer) à parte, seu filé era bom e verdadeiramente bom, e seu molho feito surpreendentemente com cogumelos de verdade, sem qualquer economia, de fato incrementava sabor às tiras, temperando o conjunto e completando a refeição de forma mais que satisfatória. Para completar e dar aquela incrementada ao sabor, aquela mesma folha de queijo que tornava o sanduíche semi impossível de se comer sem uma adicional sujeira criava pontos mais salgados do que os outros, modificando seu paladar de maneira eficaz e tornando a combinação menos enjoativa.

James Stewart (pão com gergelim, cream cheese, alface, anéis de cebola empanada com molho de ervas e suculenta carne de 200g flambada): 2/5

James Stewart

Uma opção suculenta e altamente cremosa, com níveis elevados de cream cheese e do tal molho de ervas (completamente massacrado pelo queijo cremoso) que acompanhava a carne. Para completar um punhado de anéis de cebola completamente murchos e nada crocantes que, assim como todo o resto, não funcionavam muito bem quando apreados a um amontoado por demais exagerado de cream cheese. Uma boa descrição na carta que, devido as infelizes proporções, se tornava assombrosamente enjoativa.

Milkshake de Negresco: 3/5

Uma pedida clássica que tivemos que provar para aprovar. A casa que oferece a combinação de sorvete, leite e é claro o clássico biscoito, produzia este que era um charmoso, denso e gostoso milkshake. Ainda assim uma pedida que mantinha seus tropeços, parte pela combinação de sabores que poderia ser melhor elaborada, uma vez que apenas os três ingredientes aqui descrito deixam o sabor do biscoito por demais protuberante, e parte por sua apresentação de apenas jogar aquela massa num copo e levar até a mesa, afinal é sempre bom lembrar que comemos antes com os olhos. Ainda assim uma boa pedida, especialmente para aqueles mais fãs dos famosos biscoitos que dão nome à bebida.

Custo Beneficio: 3/5

Diferente do padrão estabelecido na capital mineira, onde basta se colocar uma carne dentro de um pão para se cobrar o quarto da centena de reias, o James mantém seus preços atrativos (para não se dizer justos) e seus ingredientes de qualidade agradável, criando uma casa que se estabelece de maneira firme entre o sanduíche de trailer e o novo cenário gourmet, perfeito para aqueles que curtem qualidade mas não estão muito dispostos a estourarem o orçamento do mês.

Dicas:

Vá e delicie-se, opte por combinações onde um possível exagero de certo ingrediente possa não estragar seu sanduíche e peça uma bebida, seja esta doce ou não para acompanhar todo o conjunto.

post and review by Eduardo Boaventura & Path Tôrres
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s