Boivindo

NOTA GERAL: 3.2/5

www.boivindo.com.br
Avenida Petrolina, 875 – Horto – Belo Horizonte – MG | Tel: (31) 2512-8080

Localização e Ambiente: 2/5

O Boivindo é um restaurante em proporções cavalares, se assemelhando a um enorme galpão que fora transformado em um espaço gastronômico. Dividido em diversos ambientes, permite que os clientes fiquem em áreas mais isoladas, criando pequenas festas mais privadas (na medida do possível, claro), e grandes zonas comuns, próximas ao pequeno palco frequentemente populado por músicos e bandinhas que performam ao vivo. No centro do espaço existe uma área verde com um enorme símbolo da casa (um boi gigantesco). O mobiliário é simples, feito de madeira, como o revestimento das paredes internas, o que torna o lugar mais aconchegante e deixa claro que sua intenção jamais é a de ostentação, mas sim de um ambiente onde as pessoas vão simplesmente para se alimentarem e curtirem a presença de seus amigos.

Atendimento: 4/5

Os garçons são mais apressados que tudo, também pudera, devido ao tamanho do lugar. Se já é difícil alcançar todas as mãos estendidas no salão, o número de pessoas em pé (seja batendo papo, transitando ou mesmo assistindo aos shows), torna quase impossível para os guerreiros atendentes transitarem sem ter que dar uma boa driblada no público, se assegurando, é claro, de manter os drinks em pé. Para completar, com uma surpreendente performance de memória e velocidade, os variados membros da equipe também conseguiam fazer uma excelente conexão com a cozinha, mantendo-se surpreendentemente ágeis sem transmitir qualquer impaciência aos clientes.

Gastronomia: 3.0/5

A especialidade do lugar é a costela suína ao barbecue, item que o próprio estabelecimento qualifica como “o melhor do Brasil”. O interessante é que a delícia vem em vários tamanhos, para 2, para 4, com arroz ou sem, porém sempre com as clássicas batatinhas. Outro item clássico é a asinha barbecue (opção de carne de frango para a especialidade que descrevemos acima) além dos espetos (lembrando que não são espetinhos, pois são, como tudo até agora, enormes) e das caipirinhas com picolé. De qualquer forma, o cardápio se estende além de nossa humilde descrição, então podemos dizer que é praticamente impossível não existir algo que te apeteça.

Pão de queijo com catupiry no braseiro: 4/5

Pão de queijo com catupiry no braseiro

Uma entradinha que chama a atenção, já que todo mineiro fica completamente seduzido ao ler “pão de queijo” em qualquer lugar que esteja. Clássicos de lado, o resultado do prato aqui descrito é verdadeiramente diferenciado, não por conta de seu recheio, o catupiry, mas sim pela sua maneira de preparo na brasa e por sua soberba casca de queijo parmesão gratinada. A entrada que é servida de cinco unidades, todas assadas e então finalizadas na churrasqueira, se porta como um excelente início de noite. Para completar, o já citado recheio de requeijão cremoso criava uma nova textura dentro de cada bolinha de amor que, uma vez passada pela brasa, adquiria um sabor de queimado fascinante. Seu único porém fica pelo toque enjoativo do turbilhão de queijos e gorduras até então descritos, mas convenhamos, estamos em minas, e aqui ninguém jamais reclamou do excesso de bons queijos.

Espeto medalhão de bacon com mussarela: 2/5

Espeto medalhão de bacon com mussarela

O exemplar vindo diretamente de Itu, visto seu tamanho gigantesco, era formado por grandes bolas de queijo envoltas por bacon. Sua mussarela, que é sempre um ponto forte, poderia ter ficado mais tempo no calor, para garantir uma textura mais suave e uma temperatura mais agradável que a oferecida, assim como seu bacon que, da mesma maneira, perdia a oportunidade de se tornar crocante e assombrosamente saboroso, resultando num belo espeto não tão interessante assim.

Espeto caprese: 3/5

Espeto caprese

O espeto, que mantinha o padrão nada reduzido de seu irmão, se mostrava em uma versão bem melhor orquestrada do que aquela previamente citada. Aqui seu queijo se encontrava num ponto macio de exterior corado, enquanto seus tomates acrescentavam aquele fervoroso toque adocicado que só uma fruta bem assada consegue criar. Dessa vez, a proporção de sabores era bem equilibrada, com o tomate removendo a força da salgada mussarela e trazendo um balanço incrível para a experiência. Uma pena o pesto da casa ser por demais ralo, sem qualquer toque de sementes ou queijo, tornando sua existência ali perfeitamente dispensável.

Costela barbecue com fritas: 3/5

Costela barbecue com fritas

Muito bem conhecedora de sua demanda e de seus clientes, a casa sabe muito bem se preparar para os pedidos de uma noite. Prova disso é que bastaram uma dezena de minutos para que o pedido se transformasse em prato servido à nossa frente, imprimindo um agradável ritmo, perfeito para o tamanho da casa e o volume de clientes ali dispostos. Sua costela era uma delícia, servida bem quente e no ponto certo, descolando do osso, derretendo na boca e trazendo sabores bem salgadinhos que se contrastavam com o adocicado maravilhoso do barbecue. O conjunto era suculento e a carne bem selecionada, passando longe das indesejáveis cartilagens, permitindo ao todo criar um prato verdadeiramente único no qual, diferentemente do clássico das costelas, o destaque era justamente o paladar da carne, e não de seus temperos e molhos. Bastava uma mordida para se sentir perfeitamente o sabor do porco, o que poderia ser uma vantagem, mas que aqui infelizmente não era, transformando a realidade do prato em algo muito distinto: a monotonia do paladar do porco, e apenas do porco. Não existia ali nenhum gosto relevante do molho de churrasco, algo muito importante nas boas costelas que, dispensado do preparo da carne, era adicionado a esta apenas durante a montagem dos prato, perdendo a ótima oportunidade de impregnar suas raízes em cada uma de suas garfadas. Até mesmo o clássico sabor de fumaça, muito importante numa costela, sequer dava as caras pela iguaria, deixando aquela sensação vazia e decepcionante. A auto-intitulada melhor costela do brasil era boa, mas apenas isto, especialmente quando combinada com batatinhas congeladas.

Custo Benefício: 4/5

Excelente. Para toda essa comilança, gastamos R$35 por pessoa, para comer até cair e beber itens não alcóolicos. A costela varia de R$30 a R$50 enquanto os espetos e as demais entradinhas ficam em torno dos R$13.

Dicas:

Prove a costela, mas jamais dispense os pães de queijo. Se não estiver de carro, acompanhe suas delícias com as maravilhosas caipirinhas do lugar, feitas de várias frutas e com picolés absolutamente deliciosos. E lembre-se que é um lugar excelente para grandes grupos, portanto nada de um programinha a dois!

post and review by Eduardo Boaventura & Path Aun Tôrres
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s