Primeli Bistrô

NOTA GERAL: 3.0/5

www.primelibistro.com.br
Rua Alabastro, 49 – Santa Teresa – Belo Horizonte – MG | Tel: (31) 3241-3008

Localização e Ambiente: 3/5

Dotada de um ambiente bastante simples, a simpática casinha que abriga o restaurante oferece todo aquele ar de simplicidade que tanto adoramos. Com um pequeno jardim frontal e uma portinha depois de dois degraus de pedra, o estabelecimento oferece entrada ao seu ambiente interno, cheio de pequenas mesas para duas ou quatro pessoas todas forradas com toalhas em tons pasteis. Sua decoração é constituída por quadros, desenhos e alguns objetos de adorno, como vasos e porta garrafas que pareciam revisteiros, deixando seu espaço aconchegante e familiar. Para completar, sua localização não podia ser diferente, no bairro Santa Teresa, altamente residencial e com um toque boêmio e carnavalesco. O bistrô fica então em um ponto bem reservado, em meio aos portões dos moradores, atribuindo certo silêncio e um intimismo extra.

Atendimento: 4/5

Um bom atendimento, com uma senhora simpática (que imaginamos ser a proprietária) sempre perambulando pelo local para ter certeza que os clientes estão satisfeitos e bem servidos. É ela que recomenda os vinhos da casa, sugere os pratos mais famosos e papeia com as mesas para garantir que tudo corra conforme esperado. Em diversos momentos, ela atua como garçonete e gerente, anotando pedidos, trazendo bebidas e coordenando o salão. Uma presença dessas faz toda a diferença em um restaurante, principalmente quando nos deparamos com uma proposta tão familiar como é a do Primeli Bistrô. Em geral, os outros garçons eram bons, eficientes e polidos, sem criar um vínculo e nem deixar a desejar na agilidade.

Gastronomia: 2.4/5

O bistrô italiano serve as mais variadas massas, com acompanhamentos de carnes vermelhas, brancas, frutos do mar ou mesmo alguns molhos bastante elaborados. Ah, e não esqueceremos das sempre bem vindas entradinhas e sobremesas para completar uma bela refeição.

Consumé crocante (alho-poró, frango, queijo gruyère e massa folhada crocante): 3/5

Consumé crocante (alho-poró, frango, queijo gruyère e massa folhada crocante)

Uma entrada que nos deixou curiosos e bastante felizes com o resultado. Era como se fosse um escondidinho do consumé de frango, coberto com uma massa folhada que cresceu como um suflê. De visual arrebatadoramente surpreendente a entradinha não tão pequena era boa, mas tinha suas pontas soltas. Seu consumé, apesar de agradável, era estranhamente engrossado com uma por demais relevante quantidade de farinha, opção pouco elegante que perdia a oportunidade de se criar um líquido límpido e elegante ou um creme espesso com base de queijo, que provavelmente agradaria mais aos nossos corações mineiros. O resultado então eram sabores diluídos e uma vontade extra daquela explosão que poderia ser oferecida pelo frango e o maravilhoso alho poró. Suas quantidades eram ótimas e o volume de massa folhada, que poderia ser artesanal e com base de manteiga e não margarina, era perfeito para acompanhar cada uma das colheradas do prato. Ótima ideia para fugir um pouco do tradicional couvert ou das outras entradas padronizadas italianas.

Risoto Alho Poró com Salmão e Molho de Tangerina: 2/5

Risoto Alho Poró com Salmão e Molho de Tangerina

Um prato bem apresentado e bastante bem servido. O risoto tinha seu arroz um pouco além do ponto, ficando macio em demasia, e perdendo a textura que tanto agregaria nas mordidas. Além disso, o salmão também veio com preparo além do tempo ideal, passando daquela tradicional selada que o deixa tão macio e tão saboroso e infelizmente resultando num peixe firme e sutilmente esturricado. Uma pena que provavelmente a casa se balize pelo ponto que provavelmente é do agrado da maioria dos mineiros, e não por aquele elegante ponto que oferece todo o verdadeiro sabor do pescado mantendo uma primorosa suculência. A felicidade do prato ficava por conta de sua combinação (ainda que nada original), e dos contrapontos salgados, adocicados e azedos de todos seus ingredientes.

Nhoque com Polpeta al Sugo (Polpetas com molho de tomate e manjericão): 2/5

Nhoque com Polpeta al Sugo (Polpetas com molho de tomate e manjericão)

A massa que exalava simplicidade não conseguia cumprir com seus objetivos básicos. Cozidos muito além do ponto, os pequenos bolinhos de nhoque tinham uma textura desagradável, estando por demais duros e compactados e fazendo a massa se quebrar debilmente ao toque. Para completar a textura desandada, o sabor também não ajudava, com gosto quase inexistente das batatas. Sobre o todo um molho alegremente saboroso, que retinha o paladar fresco dos tomates sem agregar aquele famoso toque ácido dos mesmos. Para finalizar um amontoado de almôndegas que simplesmente não chegavam lá, se portando mais como grandes bolas de carne sem qualquer sabor. Enfim, um prato que poderia ser encantador acabou se tornando uma decepção, não mantendo o nível dos quitutes que provamos até agora.

Fettuccine Trufado com Paillard: 4/5

Fettuccine Trufado com Paillard

Apesar de não ser tão belo quanto os outros pratos, esse exemplar conseguia mostrar bem a especialidade da casa, trazendo uma carne gostosa e um sabor bem atenuado no fettuccine. A massa estava no ponto certo, naquele al dente que traz a textura e o sabor na medida ideal, e com o molho muito bem pontuado, trazendo nuances cheirosas do trufado sem cair no enjoativo que esse sabor pode trazer. Algumas pessoas podem considerar que o creme da massa estava um pouco engordurado demais, com o paladar de manteiga aparente e sabor enriquecido além da conta, e provavelmente qualquer membro dessa nova geração saúde não conseguiria sobreviver ao simples semblante da massa, mas como nosso foco é paladar a frente da saúde, e nada melhor que um toque de manteiga para elevar o sabor de praticamente qualquer prato, este nosso bebê aqui simplesmente brilhava, literalmente.

Tiramissu: 1/5

Tiramissui

Bom, essa era para encerrar com a boca amarga. O tiramissú que era lindo, servido em uma taça super simpática em uma versão mais cremosa, era uma grande desilusão. Seu sabor não tinha nada de café nem de cacau, sendo apenas um creme bastante sem graça em meio a vários biscoitos picados, tal e qual um pavê de lanchonete. Para piorar (porque um pavê de lanchonete pode ser muito bom), o gosto era, irremediavelmente salgado. Não sabemos o que aconteceu com essa leva do doce, porque sinceramente imaginamos que este exemplar não seja um representante digno do padrão de qualidade da casa, mas ele simplesmente negligenciava a parte do “doce” em todas suas garfadas, se tornando praticamente insuportável.

Custo Benefício: 3/5

Aí é que vem a notícia boa. Por vezes vamos em restaurantes que cobram uma nota por pratos relativamente simples, porém o Primeli não é um deles. Seu preço é bastante atrativo e justo, variando dos R$20 e poucos (não, você não leu errado) até os R$50, dependendo dos ingredientes. Todos são bem servidos e o menu completo, com entradas e sobremesas divididas fica no ticket médio de R$60 por cabeça, o que é válido, porém ainda nos deixa com a sensação de que a casa poderia fazer melhor em alguns pratos.

Dicas:

Como já colocamos, o lugar esbanja família, então a dica é essa. Venha juntar mesas com todos seus parentes e por favor, provem do Fettuccine trufado com Pailard, o melhor prato que provamos e que, por acaso, nos foi sugerido por nossa simpática atendente.

post and review by Eduardo Boaventura & Path Aun Tôrres
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s