BH Burger Fest – Edição 2015 (parte 2)

Texas Steakhouse

O Texas é um bar simpático no Santa Lúcia, em uma região lotada de pequenos estabelecimentos, que compartilham o mesmo estacionamento e a mesma área externa. Seu ambiente é decorado em estilo – adivinhem – Texano, e seu cardápio é a mistura de uma steakhouse com uma hamburgueria. Já falamos dele aqui no ONDEcomo, basta clicar aqui para conferir nossas primeiras impressões sobre o estabelecimento.

Brazilian Texas: Pão de batata com gergelim preto, steak de picanha, queijo prato, salada de tomate, pimentão e cebola e molho barbecue, acompanhados de farofa e mais picanha. 1/5

Brazilian Texas

Como podem ver, esse não era um dos sandubas mais tradicionais do festival. Não é que seus ingredientes eram inusitados, é que eles fazem parte de um menu steakhouse (que o Texas é, por acaso), mudando um pouco a ideia dos burgers em geral. Começamos pelo fato de que não havia um hambúrguer propriamente dito, e sim um belo filé de picanha. Se seu pão era bom, macio e fresco e seu vinagrete muito gostoso, com cubinhos e tamanho ideal e de bom sabor avinagrado, seu queijo estava apresentado em ínfima quantidade, ficando bem “sumido” em meio à combinação e, finalmente, sua carne (aquela, que queria mostrar que o lugar também é uma steakhouse, lembram) estava… horrível. Desculpem nos faltarem até eufemismos nesse momento, mas a questão é que o corte extremamente mal escolhido se encontrava duro, cheio de nervos e nada saboroso. O acompanhamento, ao invés das tradicionais batatinhas, consistia de isquinhas de picanha, melhores que a carne do sanduba, mas pequenas demais para serem consideradas até um acréscimo válido, mesmo tendo a micro farofinha como parceira.

Metrópole Bar & Hamburgueria

O Metrópole é uma casa que acreditamos ser relativamente nova em BH, próxima ao Texas (coleguinha aí de cima). Fica em uma esquina, com uma pequena área interna e uma varandona que circunda o estabeleimento. Sua ideia é servir burgers médios (não são aqueles toloscos que alimentam os mais esfomeados e nem são aqueles sliders que não servem de entrada), suficientes para satisfazer sem lotar, deixando espaço para uma entrada ou uma bela sobremesa. O cardápio é bem criativo, com opções para todos os gostos. O atendimento é excelente, com garçons super preocupados com a experiência do cliente e bastante presentes (sem serem invasivos). Admitimos que ficamos bem curiosos com a casa, então não deve demorar muito para voltarmos e provarmos mais coisas.

Nova York: hambúrguer de 200g de blend de picanha, queijo gouda, bacon em tiras, nachos e molho barbecue da casa, servido no pão de hambúrguer. 2/5

Nova York

O simpático hambúrguer vinha num bom pão, novamente macio e fresco, com sabor neutro típico do pão de hambúrguer. A carne era um blend de 200g de picanha, boa, mas com margem para melhorias em seu paladar um pouco escondido. Se falamos que o sanduíche era menor que os concorrentes, podemos então, por analogia, concluirmos também que sua carne acabava se tornando grande demais para o todo, prejudicando o bom equilíbrio entre seus ingredientes. Acompanhando tudo um queijo não menor que ótimo acabava se tornando irrelevante, especialmente quanto comparados a sabores tão mais expressivos em seu entorno, que mascaravam seu bom sabor. Seu bacon era delicioso, bem feito, crocante e ainda assim macio, quentinho e salgado na medida, fechando até agora este que teria de tudo para ser um sucesso do festival.

Os problemas, no entanto, tinham inicio justamente na brincadeira da casa em fazer algo diferente e divertido, os prometidos nachos, que não passavam do conhecido Doritos (sabor queijo), trazendo um quê industrializado por demais dispensável e um sabor forte de chips de sacola que acabava imediatamente com qualquer alegria. Talvez um nacho neutro seria melhor par ao conjunto, oferecendo uma nova textura sem adicionar um sabor tão desagradável ao todo. Ah, o molho barbecue da casa era delicioso, adocicado e apimentado na medida, com textura excelente e em quantidade ideal para não esmagar os sabores. Suas batatinhas, que acompanhavam ambas as opções de sanduba eram ótimas, bem fritas, crocantes por fora e macias por dentro. Acreditamos serem artesanais, mas sempre é possível que tenham encontrado um bom fornecedor de congelados.

Metrópole Burger Fest: Hambúrguer de 200g de blend de picanha, molho de cebola caramelizado no vinho, couve crocante, queijo prato derretido, servido no pão australiano. 4/5

Metrópole Burger Fest

O burger que leva o nome da casa era bem diferente do primeiro apresentado (Nova York, citado acima) e, na nossa opinião, bem melhor. Não que o outro fosse ruim, ele era bem gostoso na verdade, mas o carro chefe realmente tinha algo de especial. Seu pão era macio e fresco como o primeiro, porém era a versão australiana, o que agrega certa nova dimensão de sabores ao conjunto. Seu toque adocicado era um bônus para a inteligente combinação, indo de mãos dadas com a sensacional cebola no vinho e sua boa couve crocante (simplesmente soberba). As quantidades eram super bem dosadas, ainda que a carne desse novamente margem para melhorias, tudo estava super bem executado, e os sabores e texturas se complementavam lindamente. Para acompanhar um queijo melhor servido acrescentava a tão bem vinda textura aveludado, apenas elevando o sabor dos outros elementos do prato.

Dub

Para quem não conhece, o Dub é um dos deliciosos barzinhos do Maletta, um de nossos recantos favoritos na cidade. O prédio comercial no centro de BH abriga uma gastronomia deliciosa, e uma galera muito descolada. 😉 Clique para ver o que falamos do Dub em nossa primeira experiência. Lembrando que essa foi a casa que, no último Burger Fest, trouxe não só o segundo melhor burger, como também o melhor custo x benefício do festival.

P&M Thai Burguer: Pão de hambúrguer caseiro, hambúrguer de porco de 200g, cogumelos, asian coleslaw (preparado de cenoura, pepino, cebola roxa, coentro, hortelã e tahine) e maionese de Sriracha. Acompanha batata rústica. 4/5

P&M Thai Burguer

Nossas expectativas com o Dub após o ano passado eram grandes e, felizmente, ele conseguiu atingí-las. Seu pão era bom, caseiro, fresco, super macio e muito, mas muito saboroso. Sua carne era ótima, muito macia e bem feita, no ponto corretíssimo e bem temperada (algo que tem sido raro por aí, já que as casas estão deixando a função do tempero para ser cumprida fora da carne. Talvez estivesse um pouco alta demais, mas ainda assim, nada de muito grave. O coleslaw (ou o prepradão de legumes cortados a juliene) era incrível, com um toque ácido e amargo lindíssimo, e uma textura extra realmente relevante. Sob a carne um amontoadinho de cogumelos definitivamente relevantes contribuíam também com sua própria textura e forneciam ainda um amadeirado sabor ao todo. O molho de alho que acompanhava era excepcional, combinando tanto com as batatinhas quanto com o próprio sanduba. Ah sim, as batatinhas rústicas, para finalizar, eram tudo de bom, macias, salgadinhas e muito bem feitas.

Tommy’s Burger

O Tommy’s é uma hamburgueria de bom custo-benefício que geralmente cumpre o que promete. Tem várias opções com carne, frango, porco, e até mesmo uma porção de buffalo wings maravilhosa, não, sério, maravilhosa mesmo! Sua localização, próxima ao Diamond, garante um fluxo legal de clientes. Se quiser ver nossa primeira visita bastar clicar. Vale lembrar que recentemente a casa trocou a direção, trazendo um cardápio novo e uma nova visão de hamburgueria.

Lord: Pão de brioche, hambúrguer de 200g, cheddar inglês, relish de bacon crocante e rúcula. Batatas fritas acompanham. 3/5

Come Quieto

Sim, vocês estão vendo uma carne preta. E não se preocupem, não foi nossa câmera que estragou. Mas vamos falar disso em breve. O pão era bem gostoso, macio e de sabor agradável. É interessante perceber que pudemos ver o brioche sendo amplamente utilizado nesse ano, pelos mais diferentes estilos de casas e em vários estilos de burger. A carne, que já mencionamos, mesmo com o exterior realmente queimado, era gostosa, com um pouco do gosto amargo mas ainda assim super suculenta. Seu queijo era pouco e o bacon era somente ok. Isso porque ele era apresentado numa escassa versão “pó”, que não permitia aquelas conhecidas explosões de sabor características da iguaria. Por fim, era um sanduba gostoso que, frente ao fiasco do último ano, era um alegre alívio.

Come Quieto: Pão francês, hambúrguer de linguiça artesanal flambado na cachaça, queijo minas padrão, cebolas caramelizadas no barbecue de goiabada e crocante de ora pro nobis. Batatas fritas acompanham. 1/5

Lord

Esse exemplar, mais bonito, tinha como base um ótimo pão que, um pouco velho, fornecia os alicerces capazes de criar um saudosismo naqueles irremediáveis amantes do pão de sal. Suas cebolas eram excelentes, com sabor adocicado indiscutivelmente delicioso e seu queijo estava em ótima quantidade, se encontrando bem escolhido para incrementar a textura e o sabor do conjunto. Os problemas do sanduíche no entanto se limitavam a um único ingrediente escolhido, e talvez o mais importante, a carne. Carne que, ah… essa não dava pra perdoar. De paladar péssimo, gosto rançoso e sensação lastimável o haburguer de linguiça além de mal picado, o que deixava pedaços grandes de porco com alarmantes quantidades de gordura espalhados por ai, se encontrava num desagradável mal passado digno de gorfadas. Um horror que infelizmente contaminou negativamente todo o conjunto até então tão triunfante.

post and review by Eduardo Boaventura & Path Aun Tôrres

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s