BH Burger Fest – Edição 2015 (parte 3)

Bistrô Burger

O Bistrô Burguer é um simpático recanto consideravelmente afastado dos pólos gastronômicos mais convencionais, bem no meio de uma área residencial no bairro Padre Eustáquio. Seu estilo lanchonete dos anos 50 (de novo?) é simpático e o cardápio contém opções bem variadas de burgers e sandubas. Da primeira vez que fomos (no Burger Fest de 2014) ficamos muito impressionados com o atendimento presente e bem informado, o que não se repetiu nessa experiência. Não é que o atendimento ficou ruim, é que o atendimento foi extinto. Por motivos que não vêm ao caso (não que saibamos os motivos, só imaginamos) a casa mudou seu esquema para uma espécie de fast food demorado. Ou seja, você chega, pede no balcão, paga e recebe uma ficha. Seu número é chamado e você pega a comida/bebida em outro balcão. A experiência com a casa com certeza foi negativamente afetada, já que toda e qualquer interação foi completamente abolida.

Cheese Picanha: Hambúrguer de picanha de 200g, molho barbecue, alface, requeijão de raspa e geleia de pimenta, em um pão de hambúrguer. 4/5

Cheese Picanha

Se o atendimento tinha piorado, o burger seguia um bom padrão que já havia sido exibido no ano passado. Composto de uma saborosa carne, macia e muito bem feita, montada na medida (sem exagerar no tamanho!), o sanduíche conquistava certo lugar em nossos corações. Seu pão era gostoso, fresco e bem macio, combinando bem com o requeijão de raspa cremoso e em boa quantidade. Sua combinação com a carne era ótima, não deixando nenhum dos dois apagar o outro. O barbecue consideravelmente inexistente era complicado de ser notado, trazendo apenas um sabor interessante quando presente que, infelizmente não combinava muito bem com a geleira. Geleia, inclusive, que felizmente vinha separada, (não por ela ser ruim, de forma alguma, na verdade ela era ótima!), combinava muito bem com o sanduíche e melhorava cada mordida do todo, mas – justamente porque sua parceria com o molho de churrasco já adocicado acabava fazendo chover no molhado – acabava deixando o sanduíche enjoativo e um pouco moroso. Por fim, uma ótima opção, com batatinhas super gostosas e uma Itubaína Retrô para acompanhar! 🙂

Hollywood Fine Burger

Uma das novidades desse ano no festival é o Hollywood, uma hamburgueria localizada em uma rua super movimentada da Pampulha, que virou um definitivo point de bares e restaurantes noturnos. A entradinha do Hollywood não ostenta, mas chama a atenção pelas cores bem fortes e pelas mesas externas, sempre lotadas. Internamente, o espaço é simpático, com o estilo básico das hamburguerias (que não vamos nem citar mais, de tão batido) e algumas decorações interessantes, como quadros, fotos e uma máquina de fliperama que, pasmem, não era enfeite! O cardápio é grande e tem opções para todos os gostos. Para acompanhar os sandubas, os vários milkshakes são bonitos e gostosos!

Transformers: Hambúrguer de picanha de 160g, alface, bacon, queijo provolone, salteado de cogumelos (champignon, shitake, paris) com aspargos, molho demi glace, em um pão com gergelim preto. Batatas fritas acompanham. 3/5

Transformers

O belo hamburgão vinha com hambúrguer de picanha, mesma opção do Bistrô, citado acima. A carne era uma delícia! Alta, bonita e bem feita, com interior rosado, suculento e muito saboroso. O queijo provolone era bom, bem alinhado com a carne e em quantidade ideal para não se tornar enjoativo. Os cogumelos, no entanto, não tinham a mesma felicidade, já que ficavam aquém daquela linha tênue da sutileza, se tornando ignoráveis perante tantos outros fortes concorrentes. Sobre tudo isso uma boa porção de bacon, provavelmente o melhor do festival, que, num ponto soberbo, nos fazia querer visitar a casa só para repetir o acompanhamento. Crocante, bem frito (sem queimar e sem endurecer demais) e uma verdadeira perdição para os viciados pela iguaria. Para finalizar, um bom pão, fresquinho e macio. Aqui o principal problema era da carne que, apesar de num bom ponto, soltava muito líquido, deixando o pobre pão inferior completamente desprotegido (mesmo com a alface ali tentando ajudar), dificultando muito a experiência da degustação.

Gladiador: Pão francês tostado na espuma de manteiga, alface, tomate cereja, iscas de filé mignon ao molho gorgonzola. Batatas fritas acompanham. 2/3

Gladiador

Assim como o exemplar do Texas (composto de steak e pão), o item do Hollywood perdia no conceito, não trazendo um hambúrguer à mesa. O que provamos foi uma espécie de petisco no pão, usando uma das entradas mais comuns da cidade (iscas de filé com gorgonzola) acompanhada de pão e batatinhas. O resultado era bem sem graça e, ainda que sua carne fosse genuinamente boa, macia e bem feita, seu molho de gorgonzola era meio blé, seu pão era apenas ok, e a combinação de alface e tomate era bastante desalinhada com o resto do conjunto. Vale lembrar que as batatinhas eram boas, mas que ainda assim o resultado final acabava caindo no “nada demais”.

J’s Fine Burger

O J’s é um lugar que ouvimos falar taaaanto que aproveitamos o festival para correr lá e descobrir qual era a do lugar. Pelo visto, não fomos só nós que ouvimos falar, já que a fila quase virava o quarteirão de tão grande. Fomos e voltamos em horários diferentes e, no final das contas, concluímos que a fila fixa faz parte do lugar (ou fazia durante o Burger Fest). Portanto, se quiser ir, vá com pouca fome e muito tempo de sobra, já que a espera vai resolver ambos os detalhes previamente citados. O cardápio é imenso, o que nos deixou gratos por existirem somente as 3 sugestões no festival. Os burgers são grandes e muito bonitos.

Abraham Lincoln: 2 hambúrgueres de 160g de picanha, picles, tomate, bacon crocante, queijo cheddar, alface americana, molho barbecue, em um pão branco com gergelim . 2/5

Abraham Lincoln

Viram como não estávamos exagerando? Os burgers são dignos de filmes, com aspecto maravilhoso e super suculento. O objeto em destaque mostrava aquilo que já repetimos aqui no mínimo um par de vezes: duas carnes enormes acabam se tornando muito para um sanduba assim, massacrando os outros sabores e deixando tudo com sum gosto único e sem graça. Para completar o duelo de sabores extremamente fortes e enjoativos, um queijo igualmente insuportável, presente em enorme quantidade, e que não oferecia sabor algum além do pesado gosto de requeijão (e não cheddar), fazendo do exemplar da foto uma verdadeira comida de larica. Ah, sim, o pão branco era o melhor dos servidos no festival (provamos este e o australiano), mas não que isso importe, já que você apenas sente o gosto do pão se cortar um pedaço e comer ele puro.

Luther King: Hambúrguer de peito de frango de 160g, tomate, bacon crocante, queijo catupiry, alface americana, molho bauru, em um pão australiano. 4/5

Luther King

Hummm, se nossa experiência com o Lincoln não foi a melhor, com certeza essa fazia de tudo para esquecermos o que provamos e começarmos de novo. A carne de frango estava ótima, bem feita e ideal para combinar com os molhos mais fortes. Seu pão australiano era apenas ok, meio seco e sem sabor, mas felizmente a quantidade de queijo e molho ajudavam enormemente aqui, em especial pelo nomeado bauru que, feito a base de uma maionese extremamente temperada, já começava a levar as coisas para outro nível, com um sabor delicioso que contaminava positivamente todo o burger. Para completar e aveludar tudo, um requeijão (aqui sem o corante amarelo da versão anterior) bastante bom, que lutava bem com a quantidade extra de bacon do sanduíche. Sem sombra de dúvidas, o melhor sanduíche da casa.

Mahatma Gandhi: Hambúrguer vegetariano de 160g preparado com berinjela e ervas finas, tomate, queijo cheddar, cebolas caramelizadas, alface americana e molho barbecue, em um pão australiano. 1/5

Mahatma Gandhi

Novamente com o pão australiano, o último sanduíche oferecido pelo estabelecimento era certamente a maior decepção do festival. O que dizer do sanduíche em questão? Sua “carne” tinha pouco gosto de legumes, pingando gordura por todo o sanduíche, seu molho simplesmente não existia, assim como a alface, que também não respondeu à chamada. A prometida cebola caramelizada de fato adicionava certa doçura ao conjunto, o que era até bom, mas este agridoce esperado já era oferecido pela escolha de pão, tornando ambos relativamente conflitantes. Para completar o todo e deixar a foto bonita, um amontoado desse terrível queijo (novamente requeijão sabor cheddar) que massacrava qualquer outra coisa aqui disposta, nos fazendo apreciar apenas três mordidas para desistirmos completamente do prato e deixá-lo sobrar. Um verdadeiro sanduíche de Tinder, como basicamente todos os outros que experimentamos da casa, lindos nas fotos, lindos na montagem, mas insuportáveis na vida real, salvo uma feliz exceção que, provavelmente, era o mais feiosinho da trinca.

post and review by Eduardo Boaventura & Path Aun Tôrres

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s