Hermengarda

Desde o começo dessa semana, o Restaurant Week tomou conta da cidade e os belo-horizontinos já podem degustar os melhores estabelecimentos por um preço super justo: R$37,90 no almoço e R$49,90 no jantar! Esse valor é válido para o menu degustação criado especialmente para o festival, composto por uma entrada, um prato principal e uma sobremesa. Curtiu? Pois nós curtimos muito! Então, aproveite para conhecer casas novas e voltar às casas mais tradicionais da cidade para provar esse menu super exclusivo!

Quem nos segue já sabe que há alguns anos o Week se tornou temático, o que, conforme citado pelo simpaticíssimo Fernando Reis, organizador do evento no Brasil, serviu para incentivar a criatividade no desenvolvimento dos cardápios. Ainda assim, não é uma obrigatoriedade aderir ao tema, então os chefs podem ficar a vontade para brincar com os ingredientes que quiserem. Nessa edição, que já é a 10ª, o tema é Gastronomia Saudável, e preza pela priorização de ingredientes frescos e naturais em composições leves, juntando sabor e saúde em um mesmo menu. Interessante, não? E bastante alinhado com a vibe atual dos brasileiros.

Para finalizar, o Week arrecada R$1 por refeição para doar para o Hospital da Baleia, trazendo a esse festival um motivo ainda mais nobre.

Vamos então, aproveite a temporada para curtir o Week em BH, de 16/03 a 05/04! E não se esqueça de conferir o ONDEcomo regularmente para ver nossa cobertura do evento! Faremos, como é de costume, posts mais curtos e mais frequentes para levar aos nossos leitores uma boa noção do que está rolando no festival! Ah, e claro, sugestões são suuuper bem vindas! Comente nos posts, aqui, noFacebook (/ondecomo), Instagram (@ondecomo) ou mesmo nos mande um e-mail no ondecomo@gmail.com! Nos vemos no Week! 🙂

NOTA GERAL: 4.1/5

Menu JANTAR

Sobre o Hermengarda:

O Hermengarda costuma ganhar várias estrelinhas no Week (e fora dele também, claro), então não é novidade que estejamos de volta para ver o que o simpático chef nos preparou dessa vez. Como já falamos anteriormente, a casinha que leva o nome da avó do chef-proprietário é uma graça, com decoração rústica porém sofisticada, móveis bonitos e um ar delicioso, além é claro de um atendimento sensacional. Confira tudo o que achamos e não achamos em nossas demais visitas clicando aqui.

Gastronomia:

O contemporâneo da Rua Outono é um pedacinho de tudo, com uma culinária internacional e autoral de muito bom gosto, sempre levando a mesa sabores e preparos do mundo acompanhados de ingredientes bem brasileirinhos. Para o week, a casa caprichou com suas sempre bem vindas abobrinhas, o clássico penne, um bobó, arroz de pato e, para nossa alegria, o retorno do incrível nêmesis de chocolate.

Entradas:

Rolinhos de abobrinha com carne de sol e queijo coalho: 5/5

Rolinhos de abobrinha com carne de sol e queijo coalho

Hum, começamos nosso jantar com uma entrada simpática (apesar de minúscula) e com personalidade bem mineirinha. O canudinho é servido quentinho, com queijo ótimo e textura ideal, dando aquela puxadinha que revira os olhos de todo mundo. A finíssima camada de abobrinha que o envolvia estava no ponto, retendo o queijo com elegância, incrementando o sabor do todo com aquele gostinho único da fruta e oferecendo uma textura extra em cada mordida. Sua combinação com o azeite é ainda super saborosa, especialmente em harmonia com as pitadinhas de flor de sal amorosamente espalhadas pelo prato. Uma pena mesmo seu tamanho ser tão reduzido, se tornando quase uma brincadeirinha sem graça de tanta vontade se comer mais.

Salada caprese com queijo do Serro e castanha-do-pará: 5/5

Salada caprese com queijo do Serro e castanha-do-pará

A salada que era mais um sanduíche de tomate veio cheirosa e montada de forma incrivelmente simpática. Era um empilhadinho de tomate e queijo, com azeite temperado e castanhas do Pará decorando, uma amável simplicidade que funcionava tão bem que atingiu uma nota estupenda em nosso conceito. Ainda que pessoalmente nós acreditássemos que faltava algum preparo no tomate e no queijo, nosso quase exemplar de culinária viva (se é que podemos chamar assim mesmo em companhia do queijo), definitivamente era o sucesso da mesa.

Pratos principais:

Penne com tomatinhos doces, manjericão e cogumelos-de-paris: 4/5

Penne com tomatinhos doces, manjericão e cogumelos-de-paris

Já falamos que simplicidade é um amor? Certamente, mas é bom lembrar que existe uma linha muito tênue entre o simples e o sem graça, determinada principalmente pela quantidade de amor (cof cof.. geralmente manteiga) derramada no prato. A questão toda são os detalhes que, mesmo nos pratos mais simples, nos trazem uma porção de sensações e sentimentos, e acabam deixando a experiência muito mais elaborada do que ela aparenta. Bem, o Hermengarda conhece bem essa linha, e – ainda bem – quase nunca cai no ordinário! Sua massa era bem gostosa, mesmo que um pouquinho (inho mesmo) além do ponto. Para completar, seus acompanhantes eram deliciosos tomatinhos, folhas verdinhas de manjericão e incríveis cogumelos paris. O resultado era uma sinfonia perfeitamente afinada, faltando apenas um fio de azeite para unificar esses ingredientes maravilhosos.

Arroz de pato com ora-pro-nóbis: 3/5

Arroz de pato com ora-pro-nóbis

Super gostoso e muito bem temperado, o arroz de pato da casa era bom, mas um pouco quadrado. Feito com uma quantidade surpreendente de carne, o prato tinha tudo pra dar certo, mesmo com aquela única cartilagem que passou despercebida no meio de tudo. É com certa tristeza então que nós dizemos que, mesmo com aquele belo ora-pro-nóbis refogado, com maravilhosos grãos de arroz e um molho de carne com toques quase presentes de cenoura, o resultado era somente: pato. O prato quase implorava por alguma coisa a mais, aquele “hue” que imediatamente nos faz sorrir quando sentimos algum tempero afiado, algum sabor inesperado, qualquer coisa, qualquer coisa pra sair da linearidade imposta pela carne. Talvez aqui sejamos nós (novamente) sendo chatos demais, especialmente porque realmente esperamos o dia em que a casa irá superar aquele arroz de rapariga da última edição do festival, mas acho que o nível estava alto demais, especialmente para esse concorrente.

Bobó de camarão e baroa com farofa de tomilho, arroz e batata palha: 4/5

Bobó de camarão e baroa com farofa de tomilho, arroz e batata palha

Um prato que, sinceramente, não nos imprimiu grandes expectativas, mas que deixou um gosto delicioso na boca. O bobó era muito bom, cremoso na medida e vinha bem acompanhado de um arroz branco soltinho, além de umas batatinhas palhas artesanais ótimas. Ah sim, e não nos esqueçamos da farofinha que, mesmo um figurante, era excelente e casava perfeitamente com o resto dos ingredientes, dando aquele belo chute no tempero do conjunto.

Sobremesas:

Bolinho de queijo da Serra da Canastra com calda de frutas vermelhas: 5/5

Bolinho de queijo da Serra da Canastra com calda de frutas vermelhas

O petit gateau à mineira já é um conhecido nosso na casa, e é uma opção interessante para quem curte Romeu & Julieta ou qualquer outra sobremesa que misture doce e salgado. Aqui a goiabada era substituída por um coulis de frutas vermelhas, bem denso e bem adocicado, com cubinhos simpáticos de morango. O bolinho era uma agradável surpresa, com uma textura levemente massudinha, que ousamos dizer ter mais gosto de queijo que muitos outros queijos por aí. Seu toque mais seco e bem salgadinho era o trunfo da calda doce e ácida, passando por todas as sensações que tanto amamos.

Nêmesis de chocolate 70% com sorvete de banana: 3/5

Nêmesis de chocolate 70% com sorvete de banana

Já falamos sobre o Nêmesis em outra visita ao week (na qual inclusive a entrada também era bem parecida com essa), e não nos cansamos de provar essa maravilha! Ainda assim existiam algumas diferenças que o tempo infelizmente trouxe ao prato. A textura aerada e única daquilo que era muito semelhante a uma mousse agora estava a dois passos do baiano bolo búlgaro, muito mais denso e firme. Seu parceiro, o sorvete, não poderia ser menos ideal, alimentando nosso lado formiga com um paladar docinho e cremoso, combinando o gosto forte da fruta com a presença do chocolate amargo.

Dicas:

Bom, como puderam ver, o Hermengarda soube mais uma vez deixar um recado. Quem conhece esse estabelecimento no Week, certamente volta correndo para ver o que mais pode sair daquela cozinha maravilhosa. Nossa dica então é ir, dentro do festival ou fora, e pedir sugestões aos tão bem informados atendentes. Como é um restaurante praticamente sem pontas soltas, o único perigo é querer comer lá todos os dias.

post and review by Eduardo Boaventura e Path Aun Tôrres