Hermengarda

NOTA GERAL DO JANTAR: 3.5/5

Na segundona, dia 14/09 começou o festival mais democrático da gastronomia aqui na capital mineira! Até o dia 04/10, o Restaurant Week toma conta da cidade e os menus degustação (entrada, prato principal e sobremesa) já estão listados no site! São 60 restaurantes participantes – sendo 16 novos! – que servirão almoço por R$39,90 e jantar R$51,90 no jantar! Partiu week?

Nas últimas edições, o Week sugere um tema para inspirar o menu das casas, fato que o organizador Fernando Reis considerou interessante para estimular a criatividade dos chefs na criação dos cardápios. Aderir ao tema não era obrigatório, mas sempre serve como fonte de ideias. Esse ano, o tema não remete a nenhuma culinária específica, não valoriza nenhum ingrediente especial e é um conceito totalmente abstrato. Chama-se Gastronomia Afetiva. A ideia é criar pratos que tragam uma memória de família, viagens e momentos marcantes. Segundo Fernando: “Nosso objetivo com este tema é buscar estreitar ainda mais a relação que existe entre clientes e restaurantes, enaltecendo as comemorações em torno da mesa, despertando sensações e mostrando temperos que traduzam as características de cada chef”. Ademais, o Week ainda arrecada R$1 por refeição para doar para o Hospital da Baleia, trazendo motivos ainda mais estimulantes para provar alguns dos menus.

Três dicas importantes que aconteceram na última edição e se repetem nessa:

1) Você continua podendo trocar Dotz para degustar o Week! 2.000 dotz = menu week almoço e 2.750 dotz = menu week jantar! Incrível, não é? Confira no site os restaurantes que aderiram a esse benefício clicando aqui.

2) Ainda é possível reservar online através do The Fork, uma empresa do Trip Advisor. Clique e veja onde você pode reservar agora!

3) Vejam que mantivemos o campo em nosso blog para falar do Week! Ele fica logo abaixo do título, onde há uma aba fixa chamada Restaurant Week.

Corra e tente ir no maior número de casas possível! E não se esqueça de conferir o ONDEcomo regularmente para ver nossa cobertura do evento! Serão posts mais curtos e mais frequentes para levar aos nossos leitores uma boa amostragem dos menus! E queremos sugestõooes! 🙂 Comente nos posts, aqui, no Facebook (/ondecomo), Instagram (@ondecomo) ou mesmo nos mande um e-mail no ondecomo@gmail.com!

NOTA GERAL: 3.5/5

Menu JANTAR

Sobre o Hermengarda:

Já fomos tantas vezes ao Hermengarda (principalmente no week) que vocês já devem ter se cansado de vê-lo por aqui. Mas a verdade é que ele é sempre tão gostoso, tão agradável e traz cardápios tão diferentes, que se torna algo irresistível para quem é apaixonado por gastronomia (que é o nosso caso, caso não tenham percebido). Seu ambiente é aconchegante, como uma arrumadinha casa de vó (por que será, né?), e o atendimento é sempre simpático e cuidadoso. Confira mais sobre a casa clicando aqui.

Gastronomia:

O cardápio da casa é baseado em gastronomia contemporânea, portanto mistura ingredientes de todo o mundo em maneiras de preparo globais. O querido Guilherme, chef da casa, gosta muito de dar uma brasileirada (e por vezes até uma mineirada) nos pratos, valorizando itens locais como o queijo canastra, feijão preto e doce de leite. O resultado é puro amor.

Entradas:

Creme de palmito pupunha com tomate concassé e pesto de manjericão: 3/5

Creme de palmito pupunha com tomate concassé e pesto de manjericão

A sopa de palmito era muito gostosinha, estava bem quente (passando do morninho ideal e arriscando uma queimadinha na língua) e com os sabores (caso você não tenha queimado a boca) bem neutros. O palmito já costuma ter um gosto mais linear, e os tomates e pesto não se encontravam em quantidade relevante a ponto de contrastarem com o mundo branco daquela entrada. O resultado então era um creme de palmito bastante normal, com a adição de certa textura no creme (alguns cubinhos que encontramos) que, apesar de gostosinho, não exibia aquele efeito Uau! que a casa frequentemente consegue realizar. Uma pena mesmo o pesto, saboroso como estava, se esgotar com cinco colheradas.

Brandade de bacalhau, feijão preto e couve: 5/5

Brandade de bacalhau, feijão preto e couve

Hum, se nossa primeira entrada foi quadrada demais, essa nos deixou sem palavras. A combinação pode soar estranha (nós mesmos pensamos: putz, feijão com peixe?), porém a verdade é que as duas escolhas de ingredientes, o feijão em sua versão de feijoada e o peixe forte que é o bacalhau, acabaram travando uma disputa realmente emocionante no prato. Ou seja, o que estávamos julgando mal, se mostrou surpreendentemente eficiente! Uma ótima entrada acompanhada de uma couve bastante ao natural, capaz de fazer qualquer um sorrir de alegria.

Pratos principais:

Costelinha com risoto de feijão, carnes defumadas e couve: 3/5

Costelinha com risoto de feijão, carnes defumadas e couve

Entrando nos pratos, começamos com uma opção bem abrasileirada, com costelinha, feijão e… risoto?! Mas o que é isso, minha gente? Primeiro o bacalhau com feijão preto (que convenhamos, era incrível), e agora risoto com feijão? Composto a partir de uma boa peça de carne, bem temperada, suculenta, verdadeiramente bem feita, de bom sabor e quantidade correta de gordura, o prato tinha tudo para encantar. Se o bloco carnívoro sobre o todo agradava, o risoto era um pouco decepcionante, primeiro por não ser exatamente de feijão, e sim com feijão, depois por seu grão além do ponto, e por último por algumas enormes rodelas de linguiça sem qualquer paladar relevante. No final das contas, a combinação ficou parecendo um mexido sem graça, com uma decoração pouco impressionante de ninho de couves.

Lasanha de berinjela, cogumelos, castanha-de-caju e creme de queijo da Serra da Canastra: 3/5

Lasanha de berinjela, cogumelos, castanha-de-caju e creme de queijo da Serra da Canastra

Uma bela fatia, muito bem montada, bem servida e suuuuper cheirosa! A massa tinha um ótimo ponto aveludado, com berinjela demais e queijo de menos. Os cogumelos ficavam um pouco apagados, se misturando com os molhos da massa e perdendo seu sabor característico, além de terem frequentemente sua textura confundida com aquela dos berinjelas, perdendo um pouco da unicidade. Em volta, podemos ver um molhinho (semelhante ao pesto da entradinha de palmitos) super saboroso, que trazia um sabor mais presente à lasanha. O destaque mesmo, que transformava o ordinário em algo um pouco melhor, era a famosa casquinha de castanhas-de-caju, essa sim merecia todo o amor possível! Não tão crocante como poderia ser, seu contraste com a massa macia era um estouro, faltando somente – para completar com chave de ouro – um pouquinho mais de tempero, para acender o prato.

Sobremesas:

Trouxinha de banana, castanha-do-pará e damascos ao creme de capuccino: 2/5

Trouxinha de banana, castanha-do-pará e damascos ao creme de capuccino

A lindíssima sobremesa era uma trouxinha feita de massa filo, aquela fininha e saborosa, tostadinha na medida para garantir crocância sem endurecer demais. As bananas eram super bem feitas, estavam macias, doces e nada fibrosas. As castanhas-do-pará estavam crocantes, combinando com a massa e contrastando com o creme de banana, fazendo uma deliciosa brincadeira de texturas. Para completar, um molho (chamado creme de cappuccino) doce e forte demais, tornando difícil reconhecer qualquer um dos sabores ali e apagando qualquer ponto diferente e mais sutil como os despercebidos damascos.

Pudim de doce de leite com compota de limão: 5/5

Pudim de doce de leite com compota de limão

Hummmm que excelente encerramento para o jantar!! O pudim era super gostoso, com uma textura incrível, misturando algo aerado como uma mousse e ainda assim gelatinoso, com um sabor de tirar o fôlego. Para nós, mineiros, o sabor do doce de leite já é algo que lembra a casa da vovó. Aqui no Hermengarda, esse sabor confortável vem acompanhado de um toque gourmet maravilhoso, além de uma elegante compota de casca de limão. Sua decoração (agora sim para fechar lindamente) feita de grãos de café toscamente moídos era o toque final perfeito, praticamente definindo o termo soberbo.

Dicas:

O legal do Hermengarda é que, quando você vai ao Week, você prova exatamente o que comeria fora do festival. Não há nenhuma economia, nem nos ingredientes, nem na criatividade, nem no tamanho das porções. Tudo é super bem feito, bem pensado, o atendimento é excelente e a sensação final é que você pagou pouco e comeu muito bem. 🙂

post and review by Eduardo Boaventura e Path Aun Tôrres