Verano

NOTA GERAL DO ALMOÇO: 2.0/5

Na segundona, dia 14/09 começou o festival mais democrático da gastronomia aqui na capital mineira! Até o dia 04/10, o Restaurant Week toma conta da cidade e os menus degustação (entrada, prato principal e sobremesa) já estão listados no site! São 60 restaurantes participantes – sendo 16 novos! – que servirão almoço por R$39,90 e jantar R$51,90 no jantar! Partiu week?

Nas últimas edições, o Week sugere um tema para inspirar o menu das casas, fato que o organizador Fernando Reis considerou interessante para estimular a criatividade dos chefs na criação dos cardápios. Aderir ao tema não era obrigatório, mas sempre serve como fonte de ideias. Esse ano, o tema não remete a nenhuma culinária específica, não valoriza nenhum ingrediente especial e é um conceito totalmente abstrato. Chama-se Gastronomia Afetiva. A ideia é criar pratos que tragam uma memória de família, viagens e momentos marcantes. Segundo Fernando: “Nosso objetivo com este tema é buscar estreitar ainda mais a relação que existe entre clientes e restaurantes, enaltecendo as comemorações em torno da mesa, despertando sensações e mostrando temperos que traduzam as características de cada chef”. Ademais, o Week ainda arrecada R$1 por refeição para doar para o Hospital da Baleia, trazendo motivos ainda mais estimulantes para provar alguns dos menus.

Três dicas importantes que aconteceram na última edição e se repetem nessa:

1) Você continua podendo trocar Dotz para degustar o Week! 2.000 dotz = menu week almoço e 2.750 dotz = menu week jantar! Incrível, não é? Confira no site os restaurantes que aderiram a esse benefício clicando aqui.

2) Ainda é possível reservar online através do The Fork, uma empresa do Trip Advisor. Clique e veja onde você pode reservar agora!

3) Vejam que mantivemos o campo em nosso blog para falar do Week! Ele fica logo abaixo do título, onde há uma aba fixa chamada Restaurant Week.

Corra e tente ir no maior número de casas possível! E não se esqueça de conferir o ONDEcomo regularmente para ver nossa cobertura do evento! Serão posts mais curtos e mais frequentes para levar aos nossos leitores uma boa amostragem dos menus! E queremos sugestõooes! 🙂 Comente nos posts, aqui, no Facebook (/ondecomo), Instagram (@ondecomo) ou mesmo nos mande um e-mail no ondecomo@gmail.com!

NOTA GERAL: 2.0/5

Menu ALMOÇO

Sobre o Verano:

O Verano é um restaurante que já visitamos algumas vezes, inclusive no Week, mas ainda não falamos por aqui. É uma casa linda no Gutierrez, em uma área bem residencial e tranquila (fácil até mesmo de se estacionar). Seu espaço é elevado, como se fosse um grande deck, com mesas pequenas, cobertas por imensos ombrellones. A decoração da casa é incrível, fazendo você se sentir em um evento de alguém famoso, tamanho é o estilo esbanjado pelo imóvel. Seu atendimento se encontra entre entre o cordial e o exagerado, podendo passar um pouco da linha e se tornar relativamente desconfortável, mas nada tão preocupante, especialmente quanto a comunicação do salão com a cozinha garantia um ritmo excelente ao Week.

Gastronomia:

A casa é um recanto contemporâneo com pratos internacionais super variados. Lá é possível provar massas, carnes, saladas, além de drinks e sobremesas bem tentadores. O cardápio é bem criativo, não caindo no basicão que vemos por aí. Para o Week, fizeram um cardápio bem mais quadrado do que o seu original (talvez familiar signifique conservador para alguns), trazendo polenta, costelinha, risoto e uma sobremesa que por pouco não fez tudo valer a pena.

Entrada:

Palitos de polenta com ragu de rabada, agrião e azeite trufado: 3/5

Palitos de polenta com ragu de rabada, agrião e azeite trufado

O prato fofo (sério, vejam que gracinha na foto) era uma boa porção de ragu de rabada com uma polentinha bem seca para acompanhar. A carne, ainda que um pouco sem graça, esbanjava uma textura excelente para o conjunto. Servida num ponto super macio e muito bem desfiada, a rabada praticamente dissolvia na boca, tornando-se algo leve e muito agradável para começar o almoço. Sua polenta era de fato muito gostosa e, ainda que neutra (como é de costume), combinava muitíssimo bem com uma carne mais forte. Ah sim, e não vamos esquecer da rúcula, que definitivamente era muito mais do que um toque final, se tornando absolutamente necessária para o bom funcionamento do conjunto. A verdade era que assim que o picante da folha acabava, as demais garfadas se tornavam bastante decepcionantes, especialmente pela completa inexistência do prometido azeite trufado.

Pratos principais:

Costelinha ao forno, dados de polenta do Serro e chips de batata doce: 1/5

Costelinha ao forno, dados de polenta do Serro e chips de batata doce

Para dar sequência e continuarmos nos elementos abrasileirados do menu, falemos da costelinha, o prato que não conseguia alinhar seu ótimo visual com seu decepcionante sabor. Tudo que a entrada tinha de bom entre jogos de texturas era falho nesse prato. Sua carne dura era complicadíssima de se partir, estava seca, passada, com zero suculência e uma textura infeliz que só nos fez pagar mico na hora de tentar fatiar. Para completar, um punhado de chips de batatinha doce sem muito sabor e uma polenta completamente insossa, sem qualquer delineamento de sabor que fosse agradável ou ruim. O resultado era um prato fora do ponto, sem qualquer tempero ou paladar relevante, se tornando um infeliz desastre.

Risoto de bacalhau ao mediterrâneo: 2/5

Risoto de bacalhau ao mediterrâneo

Depois dessa decepção, sustentamos nossas esperanças no segundo prato da noite, algo mais europeu e de visual igualmente apetitoso. Composto de um arroz completamente fora do ponto o prato já titubeava em seu quesito mais básico. Com um grão mole e nenhum outro componente para adicionar uma textura melhor, o arroz se tornava uma verdadeira comida de hospital, sendo completado por sua textura pouco cremosa. Ainda assim, e diferente de nossa primeira opção, aqui existia sim tempero, sendo servido com bastante queijo, talvez um pouco menos de manteiga que o desejado, e um punhado de outros ingredientes que formavam um paladar bastante aportuguesado complicado de desagradar. Como não curtir tomatinhos, azeitonas, alcaparras? Até o ponto do peixe e a falta de sabor da iguaria utilizada pela casa, que certamente era congelada, se tornavam mais aceitáveis quando bem combinados. Uma pena mesmo que, como conjunto, o prato pecava, em várias arestas, se tornando incapaz de agradar plenamente um ávido amante da gastronomia.

Sobremesas:

Flan de coco com calda de ameixa: 2/5

Flan de coco com calda de ameixa

Viscoso, mas gostoso. O flanzinho que desfazia aos poucos tinha um bom gosto de cocos, e estava com uma calda de ameixas bem gostosa. A combinação era acertada, deixando o gosto da ameixa acender um pouco o flan sem ser forte demais para mascará-lo. Além disso, os pedaços de ameixa traziam uma textura boa ao todo, já que o flan não conseguia ter textura alguma. Uma pena a sobremesa se encontrar tão fora do ponto, desmanchando com o próprio peso, e infelizmente deixando a experiência da degustação um pouco pior.

Taça de caramelo e chocolate com flor de sal: 2/5

Taça de caramelo e chocolate com flor de sal

Começamos por um caramelo de textura sensacional, super puxento e muito cremoso, causando cambalhotas na língua de quem provasse (e isso é bom, ok?). O aspecto salgado (que nos agrada muito) se encontrava no limite, com o doce prevalecendo sutilmente sobre o sabor da flor de sal. O primeiro tropeço se encontrava ao decidir espalhar a flor de sal por toda a sobremesa, ao invés de mantê-la polvilhada com concentrações em alguns pontos, deixando essa sensação salgado/doce que alegra a boca se tornar massante, cansativa e até enjoativa no final das garfadas. Para completar um chocolate que era dividido em duas partes, a primeira disposta numa INCRÍVEL mousse, com textura maravilhosa, sabor estupendo e tudo para fazer alguém comer de joelhos, e a segunda numa farofinha safada de negresco, bem ao fundo da taça. Essa última era algo completamente desnecessário que acabava puxando a sobremesa para baixo e tirando parte de sua elegância.

Dicas:

Não sabemos qual dica dar. Já provamos pratos ótimos no Verano, mas essa performance no Week (e considerem por favor que quando visitamos a casa só havia duas mesas ocupadas, então não há como colocar a culpa na pressão da cozinha) nos fez questionar o que está acontecendo. Talvez – e seremos bastante positivos aqui – tenhamos tido um baita azar, e as boas ideias da casa estivessem mau executadas por algum descuido. Tomara.

post and review by Eduardo Boaventura e Path Aun Tôrres

Anúncios